Confira a programação de maio do Museu da Vida!


Planeje sua visita ao Museu da Vida! Venha se divertir com as peças teatrais "A vida de Galileu", "Curumim quer música!" e "Conferência sinistra". Há várias atividades aguardando sua vinda. A partir de 2 de junho, às 14h, rola a inauguração da mostra "Oceanos", no Salão de Exposições Temporárias. :)

Lembramos que aos sábados não há necessidade de agendamento prévio! É só chegar! Veja mais informações sobre a visita aqui. Todas as atividades são gratuitas e há estacionamento gratuito no local. Ah, venha sempre com um documento com foto para apresentar na portaria da Fiocruz, ok?

Horário de visitação: terça a sexta-feira, de 9h às 16h30 | sábados, de 10h às 16h 


Aniversário do Museu da Vida e da Fiocruz


Lançamento do livro 'Museu da Vida - ciência e arte em Manguinhos'
30 de maio, às 15h, na Praça Pasteur (na lateral do Castelo Mourisco)

A publicação narra a trajetória do Museu da Vida, iniciada muito antes de sua inauguração, em 1999. Depoimentos e imagens conduzem o leitor pela história do Museu e apresentam suas perspectivas para o futuro.

Apresentação da Orquestra Popular Tuhu
29 de maio, das 13h às 14h, no auditório do Museu da Vida (no prédio da sede)

Venha visitar “oceanos” a partir de 2 de junho; de terça a sexta, das 9h às 16h30, e aos sábados, das 10h às 16h!



A Orquestra Popular Tuhu é uma ação de profissionalização em música que há nove anos beneficia jovens de comunidades de baixa renda da cidade do Rio de Janeiro. Composta por flautas, clarinetas, saxofones, trompetes, trombones, baixo, violão, cavaquinho, acordeon e percussão, a Orquestra tem seu nome inspirado no apelido de Villa-Lobos que, quando criança, gostava de imitar sons como o do trem ("tuhu" nasceu dessa imitação). O grupo conquistou sonoridade própria e desenvolveu uma maneira particular de inserir a cultura urbana das periferias nos grandes clássicos da música brasileira. A regência, os arranjos e as adaptações são de Maria Clara Barbosa.

Exposição Oceanos
A partir de 2 de junho, às 14h, no Salão de Exposições Temporárias

Que tal um mergulho nos oceanos, este mundo que cobre 70% da Terra? Apesar de exercerem um papel fundamental para preservar a vida, o que se conhece atualmente sobre os oceanos representa menos de 1% da superfície que ocupam. A exposição Oceanos, que estreia no Museu da Vida em 2 de junho, às 14h, permitirá um passeio da praia até profundidades abissais para se entender um pouco mais sobre a influência da luz solar nos oceanos, a biodiversidade aquática e as correntes marinhas. 

 

Com uma boa dose de humor, o espetáculo "A vida de Galileu" dialoga com os públicos jovem e adulto sobre ciência e autoritarismo. (Foto: Renato Mangolin)

Peça “A vida de Galileu”
Maio, dia 30, às 10h30 e 13h30 
Junho, todas as terças e quartas, às 10h30 e 13h30 | Sábados (dias 10 e 17), às 11h
Julho, dia 1º (sábado), às 11h 

Baseada no texto homônimo de Bertolt Brecht, o espetáculo reestreia nos palcos do Museu da Vida e permanece em cartaz até 1º de julho. Matemático, astrônomo e físico italiano nascido em 1564, Galileu contribuiu com inventos e descobertas para a ciência, defendeu e comprovou a teoria heliocêntrica de Copérnico e foi perseguido pela Santa Inquisição. Na adaptação do Museu da Vida, o enredo é permeado por depoimentos de cientistas da Fundação Oswaldo Cruz cassados pela ditadura militar em 1970. A ideia é mostrar o que pode acontecer com a ciência em regimes autoritários. 

Mesa redonda | "Museus e cidadania: direito de todos" (atividade que integra a 15ª Semana Nacional de Museus)
29 de maio, segunda-feira, das 14h às 16h30, no auditório do Museu da Vida

Refletir sobre a função social dos museus: este é o propósito desta mesa. Os temas racismo, LGBTfobia e feminismos serão discutidos pelas convidadas Janete Ribeiro, professora e pesquisadora do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, além de coordenadora pedagógica do Grupo de Estudos e Pesquisas Intelectuais Negras, da UFRJ; Indianara Siqueira, ativista trans e idealizadora do projeto PreparaNem; e Sônia Beatriz dos Santos, professora do Departamento de ciências sociais e educação da Faculdade de Educação da Uerj e do programa de pós-graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas, da Uerj.

Curumim quer música!

Instrumentos musicais feitos com sucata fazem parte da peça "Curumim quer música!"


Terças, às 11h e 13h30 | Local: Epidauro
Idade: de seis a oito anos

Nessa peça, um indiozinho descobre que não há nenhum barulho na floresta e se pergunta: onde estão os sons? Em sua busca pela música, ele convida os pequenos visitantes a conhecer alguns conceitos sobre música. 

Conferência sinistra
Quartas e quintas, às 11h e 13h30
Idade: a partir de dez anos
Local: Epidauro

Esquete teatral com febre amarela, peste bubônica e varíola, principais doenças que assolavam o Rio de Janeiro no início do século XX. Com muito humor, elas revelam seus temores em relação às medidas de combate lideradas pelos médicos Oswaldo Cruz e Carlos Chagas.

Oficina de brinquedos com sucatas
Quarta, às 11h, e sexta, às 13h30
Idade: crianças de cinco a dez anos

A partir do poema "Quadrilha da sujeira", vamos conversar sobre o lixo, o brincar, a nossa saúde e a saúde do planeta. A atividade busca instigar a criatividade para incentivar os participantes a produzir o próprio brinquedo!



A Biblioteca de Obras Raras, que sempre impressiona por sua arquitetura, já acolheu muitas reuniões de estudo e de pesquisa! (Imagem: Acervo COC)

Visita à Biblioteca de Obras Raras no Castelo
De terça a sexta, de 9h às 16h30 | Aos sábados, das 10h às 16h
Local: Castelo

Em 1909, o livreiro holandês Assuerus H. Overmeer foi contratado por Oswaldo Cruz para organizar a Biblioteca de Manguinhos, atualmente Biblioteca de Ciências Biomédicas e uma das maiores bibliotecas especializadas da América Latina. Inspirada na linguagem neomourisca do Palácio de Alhambra, localizado na cidade de Granada, Espanha, a Biblioteca apresenta detalhes construtivos e decorativos que poderão ser conferidos pelos visitantes.

Aventuras da visão – Percebendo a luz e o som
Terças, quartas, quintas e sextas, às 9h e 10h, 14h30 e 15h30
Local: Epidauro | Idade: a partir de nove anos

Como a física pode auxiliar na explicação de fenômenos visuais? Como a vista nos engana e faz ver movimento onde havia uma imagem estática? Como é possível ver cores onde antes havia apenas preto e branco? Essa atividade explora a luz e o som, bem como a percepção que as pessoas conseguem ter.  

O Segredo das Cores
Confirmar horário no telefone (21) 2590-6747 
Idade: seis a dez anos

Após uma história que aborda o conceito de como as ideias impactam o mundo, o visitante é convidado a desenhar ideias com cores específicas que, na presença de filtros, desaparecem sob o efeito da luz. 

O cientista e o barbeiro
Confirmar horário no telefone (21) 2590-6747 
Idade: a partir de nove anos

Jogo de cartas que desperta junto ao público o interesse e o conhecimento sobre a doença de Chagas e o pesquisador Carlos Chagas.

Ver de Perto
Terças, quartas, quintas e sextas, às 9h
Local: Área externa da Tenda Virgínia Schall

Vamos reconhecer diferentes insetos, conhecer a importância deles para o meio ambiente e ainda visitar uma mostra entomológica!

Exposição “A Biomimética e o Design de Produto”

Até 20 de maio
De terça a sexta, das 9h às 16h30 | Aos sábados, de 10h às 16h
Local: sala 307 do Castelo
Idade: a partir de 12 anos

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. A famosa frase de Antonio Lavoisier poderia ser o mote desta exposição que aborda a biomimética, ou seja, a natureza como inspiração inventiva. Uma parceria entre o Museu da Vida e a ESDI/Uerj.

Parque da Ciência e Pirâmide

De terça a sexta, de 9h às 16h30 | Aos sábados, das 10h às 16h
Idade: a partir de dez anos

No Parque da Ciência, aproveite para explorar os equipamentos que abordam conceitos como comunicação, energia e organização da vida! Já a Pirâmide, parte interna do Parque da Ciência, conta com uma câmara escura onde os visitantes podem observar um modelo de olho humano gigante, além de sala de informática e salão de jogos e experimentos com diversas atividades sobre as vidas micro e macroscópica.


Visita ao Castelo da Fiocruz
De terça a sexta, das 9h às 16h30 | Aos sábados, de 10h às 16h 

Joia da arquitetura eclética brasileira, o Castelo Mourisco é a principal edificação do núcleo histórico e arquitetônico de Manguinhos. Este senhor centenário é tombado como patrimônio histórico nacional! Ao visitá-lo, fatos, fotos e documentos históricos revelam curiosidades de sua construção. Neste espaço de visitação, o público também pode contemplar a arquitetura em estilo neomourisco, a beleza dos azulejos portugueses e os mosaicos inspirados em tapeçaria árabe.

Avental de histórias
Às terças (horário pode ser combinado com o Centro de Recepção)
Local: na varanda do Castelo | Idade: de cinco a oito anos

Apresentação de uma história especialmente criada para o público infantil sobre Oswaldo Cruz e sua ideia de construir o Castelo. A atividade utiliza como recurso um avental artesanal de tecido colorido, que funciona como cenário, com bolsos de onde saem os personagens da narrativa. 

Caminhada histórica
Quartas, quintas e sextas, às 9h
Idade: público a partir de 13 anos

Atividade que apresenta a história da Fiocruz por meio de personalidades marcantes, como Oswaldo Cruz, Carlos Chagas e Sergio Arouca, e pela história do conjunto arquitetônico do campus.


Borboletas são encantadoras, né? O Borboletário é imperdível! (Foto: Peter Ilicciev)

Borboletário Fiocruz
De terça a sexta, das 9h às 12h e das 13h30 às 16h30 | Aos sábados, das 10h às 16h
Local: área externa da Tenda da Ciência | Idade: a partir de cinco anos

O espaço é ornamentado por plantas e habitado por quatro espécies de borboletas do continente americano: olho-de-coruja (Caligo illioneus), ponto-de-laranja (Anteos menippe), borboleta-brancão (Ascia monuste) e Julia (Dryas iulia). Durante a visita, o público mergulha no universo das borboletas e descobre detalhes sobre seu ciclo de vida, hábitos alimentares, o segredo por trás de suas variadas cores, táticas e estratégias de sobrevivência, entre outros fatos adoráveis! 




O Museu da Vida fica na avenida Brasil, nº 4365, no campus Manguinhos da Fiocruz. Para mais informações, ligue para (21) 2590-6747 ou envie um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..


Atualizado em 29/5/2017

Imprimir