Ir para o conteúdo

cloridrato de Quinina

Frasco de comprimidos de cloridrato de quinina
Material: vidro, papel e metal (recipiente); comprimidos a base de sais de quinina (conteúdo)
Autor: Serviço de Medicamentos Oficiais
Dimensões: 20,0 cm x 9,5 cm

O frasco contém comprimidos de cloridrato de quinina, que, durante muitas décadas, foi o principal fármaco usado no combate aos sintomas da malária. A quinina é um alcalóide com propriedades antitérmicas, antimaláricas e analgésicas. A substância, extraída da casca de uma planta sul-americana conhecida como Quina ou Chinchona, permitiu, desde meados do século XIX, o desenvolvimento de uma terapia mais precisa no tratamento da doença.

Por muito tempo, a quinina permaneceu como única droga utilizada nos doentes de malária. Mas, durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), devido às dificuldades de acesso à matéria-prima, começaram a ser feitos testes com novas drogas para serem usadas como antiamarílicas, que culminaram em fármacos sintéticos.

Os medicamentos sintéticos levaram à diminuição do uso da quinina, porém nenhuma outra combinação de drogas é tão eficaz como ela. Até hoje, ela é a única droga disponível no combate à doença em algumas partes do mundo.

O Instituto Oswaldo Cruz, em seus primeiros tempos, destacou-se com a produção do cloridrato de quinina. Em 1918, durante a gestão de Carlos Chagas, que vigorou de 1917 a 1934, inspirado em um programa de medicamentos de sucesso na Europa, criou-se na instituição o Serviço de Medicamentos Oficiais, encarregado da fabricação desse medicamento.

O cloridrato de quinina era obtido a partir da manipulação de sais de quinina importados. Este medicamento iniciou o processo de fabricação de quimioterápicos, atividade até então inédita em Manguinhos. A produção de fármacos era bem diferente dos procedimentos adotados no preparo dos demais produtos do Instituto, como soros e vacinas, que utilizavam produtos biológicos em sua composição.

Cinchona officinalis: da casca dessa planta é extraída a quinina. Gravura de J. & A. Churchill, 1880. Foto: Wellcome Library
Por se tratar de ação prioritária, Chagas promoveu a construção de um prédio para abrigar o Serviço de Medicamentos Oficiais. O atual Pavilhão Figueiredo Vasconcelos, conhecido como Quinino, foi inaugurado em 1922, com amplos laboratórios e salas, destinados a produção, pesagem de comprimidos, fabricação de vidros e embalagens, envasamento e distribuição dos comprimidos de cloridrato de quinina. O Serviço era subordinado ao Laboratório de Química Aplicada e possuía orçamento próprio. Tinha, como atribuição, preparar e distribuir pelo país outros medicamentos além dos comprimidos de quinina, entre eles, o Sorosol, para tratamento da sífilis.

Os comprimidos de quinina eram distribuídos gratuitamente nos postos de profilaxia rural. Aos Estados, forças armadas, órgãos públicos, distribuidores e empresas particulares, os comprimidos eram fornecidos a preços subsidiados.

Para saber mais:
BENCHIMOL, Jaime Larry. Manguinhos do Sonho a Vida: a ciência na Belle Époque. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1990.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Febre Amarela: a doença e a vacina, uma história inacabada. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

PAULA, Sergio Goes de (org.). Anopheles gambiae no Brasil: 1930 a 1940. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.


Clique aqui para saber mais sobre a seção Objeto em foco.


Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas 55 21 3865-2138

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

Johnson & Johnson ibm conheça