Ir para o conteúdo

Crises política e financeira, escândalos de corrupção e aumento da violência. A este turbilhão de acontecimentos, adicione, ainda, o constante e crescente corte de profissionais nos mais diversos veículos de comunicação, como emissoras de TV, jornais e sites. Neste cenário, o espaço destinado a reportagens sobre ciência, saúde e tecnologia torna-se cada vez mais escasso. No entanto, mesmo com toda a dificuldade, a imprensa permanece como importante aliada para a divulgação e popularização da ciência. Para debater tais desafios, a especialização em Divulgação e Popularização da Ciência promoveu o seminário ‘Os veículos de comunicação de massa como potencializadores da divulgação científica’ no dia 7 de agosto.

Há mais de 15 anos em contato diário com a imprensa, o médico e comentarista de saúde da TV Globo, Globo News e Rádio CBN, Luis Fernando Correia, ministrou a palestra ‘Quando a ciência e a saúde viram notícia’, buscando abordar o papel da TV e do rádio na difusão da ciência. Pesquisador do Museu Nacional e médico, Murilo Quintans Bastos apresentou um projeto de divulgação científica sobre bioarqueologia que tem atraído a atenção de jovens e adultos desde 2007; o 'Ciência até os ossos' foi o ponto de partida para o especialista, que abordou as ‘Estratégias, oportunidades e dificuldades para a popularização da ciência no Brasil’.

Editora assistente de Saúde do Jornal Extra, Flávia Junqueira foi a terceira profissional a compor o time de palestrantes. Com o tema ‘Ciência e saúde para todos: a importância do jornalismo científico popular’, a jornalista explicou como é o fluxo de recebimento de artigos científicos, os temas mais lidos pelo público e contou como é possível converter o ‘cientifiquês’ em uma matéria de jornal. Já o físico e chefe do Laboratório de Imunofisiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Robson Coutinho Silva dialogou sobre ‘A divulgação científica no cotidiano da população: como e por que divulgar’. À frente do museu de ciências Espaço Ciência Viva, na zona norte do Rio, Robson comentou como as atividades são divulgadas e a importância dos meios de comunicação nesse processo, especialmente a internet.

Atualizado em 9/8/2017
Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas (0xx21) 25906747

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

patrocínio master

ibm dataprev conheça