Ir para o conteúdo

“A saúde mental
Tem que ser discutida
Muitos não sabem
Mas é importante para a sua vida”


Como está a sua saúde mental? O que você faz para aliviar o estresse do dia a dia e encaixar uma rotina de prazer ao longo da semana? No mundo, segundo dados da Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil, estima-se que mais de 300 milhões de pessoas sofram com depressão. Mas este transtorno não é o único dentre os transtornos mentais, que englobam, também, ansiedade, esquizofrenia, transtorno bipolar, transtorno obsessivo-compulsivo, entre outros.

Leia a letra completa da música. (Faixa etária: a partir de 14 anos)

Conheça os jovens que participam do projeto.

Ouça, também, a música em nosso SoundCloud.

O rap da vez do projeto Rap e ciência se chama “Liberdade, vida e amor” e fala sobre a saúde da mente. No dia 7 de outubro, o clipe musical deste rap será lançado – o único gravado dentro do projeto. Diferentemente dos dois primeiros temas abordados – saneamento básico e arboviroses, além de Infecções Sexualmente Transmissíveis -, o deste mês foi escolhido pelos rappers. No início, a equipe de coordenação escolheu os dois primeiros temas, enquanto os artistas votaram em outros dois. Além de saúde mental, eles elegeram a temática de drogas e saúde pública, que será explorada na próxima música, a ser lançada em outubro.

Os assuntos levantados na canção deste mês falam sobre o respeito à individualidade e à sexualidade, depressão, a busca por ajuda profissional e tratamento adequado a transtornos mentais. Para entender melhor sobre essas questões, os rappers conversaram com especialistas, entre eles Carlos Alberto Bizarro Rodrigues, psicólogo clínico da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz.

“A música apresenta uma letra crítica e reflexiva. No meu ponto de vista, os temas mais importantes abordados pelos autores se voltam para a normalização da vida cotidiana que, apesar de estar no fundamento da vida moderna e contemporânea devido ao seu forte apelo científico, jurídico e médico, com frequência pode contribuir para o aumento do sofrimento psíquico de muitos indivíduos, sobretudo daqueles que não tem liberdade, isto é, dos indivíduos ditos vulnerados”, alerta Rodrigues.

Para a psicóloga e sanitarista Christiane Sampaio, a letra da música aponta elementos que demarcam a saúde mental, como a autoestima, o amor, a arte, a terapia e o cuidado em suas diversas dimensões. “Além disso, faz uma crítica importante à internação como única saída. Fala de forma potente sobre os efeitos do preconceito e suas faces”, avalia. Segundo ela, é importante ressaltar que há serviços do Sistema Único de Saúde que atuam no cuidado à pessoa com transtorno mental, como os Centros de Atenção Psicossocial, o Consultório na Rua – que atende pessoas em situação de rua -, e as Clínicas da Família. “Outra questão importante é a potência da comunidade nesse contexto de reinserção do indivíduo na vida social”, sublinha.  

Falar de saúde mental é também falar sobre suicídio. Setembro é conhecido como o mês de prevenção a este ato e, por isso, ficou conhecido, no país, como Setembro Amarelo, para justamente atuar como um alerta. No mundo, o suicídio é a terceira causa de morte entre adolescentes de 15 a 19 anos. Aqueles que estiverem passando por uma situação difícil e estiverem precisando de ajuda podem ligar de forma gratuita, a qualquer momento, para o Centro de Valorização da Vida, no canal 188, que presta apoio emocional de forma voluntária sob total sigilo.

Carlos Alberto Bizarro reforça que a saúde mental deve ser encarada com comprometimento por diferentes setores da sociedade. “A saúde mental está imbricada e se confunde com a qualidade de vida, no sentido do cuidado de si e, principalmente, com o comprometimento da sociedade como um todo, ou de coletivos em específico, para o desenvolvimento de ambientes promotores de saúde, para a melhor distribuição de renda, o combate à iniquidade, o desenvolvimento de políticas públicas efetivamente inclusivas e o investimento em projetos seriamente comprometidos com a educação e cultura das populações”, explica.

A gente convida a você a ouvir a música no YouTube e a dizer o que nos achou! Recomendamos, também, duas reportagens em áudio do Ministério da Saúde: “Como cuidar da saúde mental” e “Depressão: governo federal lança campanha de valorização da vida”.

Contatos da coordenação executiva
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

(Rap e ciência é um projeto financiado pelo Hackaton da Divulgação Científica em Saúde, um projeto da Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz, e conta com o apoio do Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz)

Publicado em 30 de setembro de 2019

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

funcionamento terça a sexta-feira: 9-16h30, sábados: 10h-16h

agendamento de visitas 55 21 2590-6747

Fiocruz, Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro| CEP: 21040-900

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@coc.fiocruz.br.

O Museu da Vida faz parte de:

abcmc astc redpop ecsite icom

Amigos do Museu da Vida: uma rede de Saúde, ciência e cultura

patrocínio master

ibm Johnson & Johnson Nova Rio conheça