Ir para o conteúdo

Material: Ouro 
Autor: CH Pillet
Local: Brasil 
Dimensões: 5 cm

Ih, olha ali o Oswaldo Cruz numa medalha! Vamos conhecer a história por trás desse objeto? Essa medalha comemorativa simboliza uma importante manifestação de reconhecimento da classe médica brasileira aos trabalhos realizados por Oswaldo Cruz na gestão do Instituto de Manguinhos e na Diretoria Geral de Saúde Pública – cargo equivalente ao de ministro da Saúde hoje em dia. 

Por ocasião do 4º Congresso Médico Latino-Americano, realizado entre os dias 1 e 8 de agosto de 1909, no Rio de Janeiro, um número expressivo de profissionais da saúde de diversos países da América Latina se reuniu para trocar conhecimentos e apresentar novidades no campo da higiene e no modo de adotar medidas uniformes para as questões sanitárias. 

Durante o evento, o periódico semanal especializado em medicina e cirurgia, “Brasil-Médico”, tomou a iniciativa de reunir os maiores representantes da medicina do país com o objetivo de levantar fundos para confeccionar uma medalha de ouro como forma de homenagear Oswaldo Cruz por suas ações de saneamento na cidade.  

O artista escolhido para o trabalho foi o escultor e gravador francês Charles Pillet (1869-1960). Há detalhes na medalha elaborada por Pillet que merecem uma atenção especial: em relevo, há uma figura de Oswaldo Cruz com a inscrição “Homenagem da Classe Médica ao Dr. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 1909”. No verso, há a reprodução, também em relevo, do Castelo Mourisco, sede do Instituto que depois se tornaria Instituto Oswaldo Cruz. Além disso, é possível observar duas legendas em latim: “O conhecimento da causa da moléstia basta muitas vezes para extingui-la” e um trecho retirado do poema épico “Eneida”, de Vergílio, que diz que deve ser celebrada a glória dos que em vida praticam ações dignas de memória. 

Uma comitiva de congressistas, que partiu em um trem especial da Companhia Leopoldina para a cerimônia de entrega da medalha no Instituto Oswaldo Cruz, em Manguinhos. O dia contou com homenagens e discursos emocionados dos organizadores do congresso e membros do governo. Foto: Careta, n. 63, 14 de agosto de 1909.

Além da medalha de ouro, também foram cunhadas 20 em prata, para presentear os institutos bacteriológicos estrangeiros, e mais 50 em cobre, para instituições nacionais. Oswaldo Cruz, homenageado com a medalha de ouro, recebeu um álbum com detalhes também em ouro e uma longa dedicatória com a assinatura das pessoas envolvidas com a homenagem. O dia escolhido para a entrega foi estratégico: às 9h do dia 5 de agosto, aniversário do médico brasileiro. Os jornais da época noticiaram a presença de uma multidão a caminho do Instituto Oswaldo Cruz. Já imaginou? Deve ter sido um dia e tanto!

Saiba Mais:

BRITTO, Nara. Oswaldo Cruz: a construção de um mito na ciência brasileira. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995. Disponível em: <https://play.google.com/books/reader?id=S7UXBAAAQBAJ&hl=pt-BR&printsec=frontcover&pg=GBS.PP1> Acessado: agosto, 2017.

GUERRA, E. Sales. Osvaldo Cruz. Rio de Janeiro: Vechi, 1940.

 

Publicado em 29/8/2018

Link para o site Invivo
link para o site do explorador mirim
link para o site brasiliana

Funcionamento: de terça a sexta, das 9h às 14h30.

Fiocruz: Av. Brasil, 4365, Manguinhos, Rio de Janeiro. CEP: 21040-900

Contato: museudavida@fiocruz.br

Assessoria de imprensa: divulgacao@fiocruz.br.

Copyright © Museu da vida | Casa de Oswaldo Cruz | Fiocruz

conheça